Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

 

Unidade Universitária de Campo Grande-MS

Mestrado: Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, 2016

Lattes: http://lattes.cnpq.br/9836756060030036

Contato:

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Desenvolve pesquisas buscando compreender as representações da cultura, da língua e da identidade nas narrativas/discursos dos sujeitos em regiões de fronteira. Também investiga o processo de preservação da língua guarani no seu contexto enunciativo, destacando os discursos dos falantes, seu posicionamento ideológico, suas contradições e não-ditos e as formações discursivas em que se inserem, principalmente os modos pelos quais os sujeitos em questão buscam representar sua identidade, a partir dos discursos que assumem e repercutem.

Adota a teoria materialista do discurso proposta por Pêcheux, pois, para ele, a linguagem é a mediação necessária entre o homem e a realidade e tem o poder de mudar a realidade desse homem. Pensa o sujeito a partir da proposta dialógica de Bakhtin na qual o sujeito e seu “outro” constituem-se na relação. O outro é necessário para a existência do ser humano, pois o eu vai ao encontro desse outro na interação social.

 

Tem interesse em saber como os sujeitos se veem, se assumem (ou evitam) por meio de representações identitárias construídas dentro das relações de poder e por meio das memórias discursivas. Nesse espaço de trocas, as identidades híbridas não se encontram estáveis, mas se relacionam em processos de divisão, exclusão e afirmação da diferença perante o outro. A AD trabalha o discurso na relação da língua com a história, o que nos permite enxergar as marcas das contradições ideológicas na materialidade linguística. Assim, pesquisa temas como sujeito, condições de produção, interdiscurso, formação discursiva, não-dito e identidade.


Nome: Marlúcia Oliveira Cavalhieri Martins

Graduação: Letras, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, 2005

Mestrado: Letras, Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2011

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Link do lattes: http://lattes.cnpq.br/2732497555475142

 

 

Eu amo pesquisar o discurso. Ler, reler, pensar, repensar, conversar com autores como Foucalt, Bakhtin, Nietzsche, Pêcheux, Maingueneau, Orlandi, Miotelo, dentre outros pesquisadores do discurso. Fazer isso horas a fio, me perder no tempo, viajar nas questões do discurso, juntamente com eles e aplicar estas teorias do discurso no meu cotidiano. Pensar o discurso no viés destes teóricos é pensar identidade, alteridade, subjetividade, heterogeneidade, ideologia, sujeito assujeitado, signo, discurso vigiado/ policiado, acontecimento, interdiscurso, condições de produção; é ver o mundo de um lugar que só os analistas do discurso podem ver. Interpretar o mundo, os acontecimentos, a História, a memória de si e dos outros de um modo único, singular, filosófico, e ao mesmo tempo com uma multiplicidade de sentidos, posta por meio da linguagem diante de nós. Fazermos isso de um lugar de reflexão da língua em sua materialidade linguística e em seu significado mais amplo, porque em se tratando de Análise do discurso, nenhuma palavra possui um sentido que lhe seja próprio. Considerando o lugar ocupado por quem escreveu este ou aquele discurso, a posição social ocupada pelo autor, a época em que se escreveu, o motivo pelo qual se escreveu, analisando as condições de produção deste discurso, que está sendo propagado em nosso meio e será interditado, caso não seja aceito. Tudo isso, considerando as relações de poder, que estão postas em nossa sociedade, desde sempre e que são permeadas pela ideologia, presente nas formações discursivas de cada sujeito.



Foi aprovado no dia 24/06/2016 pela SED/MS – Secretaria Estadual de Educação do Mato Grosso do Sul o orçamento do curso de Especialização Latu Senso Linguística, a Ciência da Língua. O curso é uma parceria entre o NEAD/UEMS – Núcleo de Estudos em Análise do Discurso e SED. A proposta de capacitação vem sendo discutida desde agosto de 2015 e vai abrir vagas em quatro Unidades Polos da UEMS. No total, são 470 vagas divididas entre vagas ofertadas para professores efetivos de Língua Portuguesa da SED e vagas ofertada pela UEMS para professores temporários do Estado. O curso terá duração de 18 meses e o edital deverá sair em breve, após passar por mais uma instância avaliação interna a UEMS. O curso terá início ainda em 2016. Além desta ação, o NEAD desenvolve outras atividades junto a professores do Estado.


O Núcleo de Pesquisa e Estudos Sociolinguísticos, Dialetológicos e Discursivos (NUPESDD) da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), em Campo Grande, recebeu 688 livros doados pelas Faculdades Integradas de Paranaíba (FIPAR). Entre os exemplares estão livros de gramática, língua portuguesa, inglês, espanhol entre outros, todos voltados para grade do curso de Letras.

A doação total feita pela diretora-secretária da FIPAR, Ana Paula Mendes de Medeiros ainda conta com mais livros e periódicos que serão encaminhados à UEMS em breve. A partir dessa aproximação, o NUPESDD estabeleceu parceria com a FIPAR para participação em pesquisas desenvolvidas pela UEMS. “Os alunos de Pedagogia da FIPAR participarão do diagnóstico sobre o ensino de língua materna em séries iniciais, que estamos desenvolvendo nas escolas estaduais”, explica o professor doutor Antonio Carlos Santana de Souza.

Por  Emmanuelly Castro 

 

http://www.uems.br/noticias/detalhes/nucleo-de-pesquisa-da-uemscg-recebe-doacao-de-livros-de-letras-155440


A UEMS/NEAD – Núcleo de Estudos em Análise do Discurso teve consumada no último dia 30/06/2016 a assinatura de convênio com a SEMED – Secretaria Municipal de Campo Grande/MS para a realização da Especialização Latu Sensu Língua e Cultura Terena com oferta de 270 vagas e da Especialização Latu Sensu Linguagem e Questões Etnicorraciais e de Gênero com oferta de 200 vagas. Os dois projetos vêm sendo elaborados desde agosto de 2015 e representam uma parceria iniciada com a DED/SEMED – Divisão de Educação e Diversidade – em 2014. A previsão é que o início das especializações ocorram no final de setembro de 2016 sendo que o edital deverá sair no início de agosto após passar por mais uma etapa de avaliação interna a UEMS. Outros dois projetos ainda devem ficar prontos até final do ano para início em 2018. Se para a SEMED a ação com o NEAD resulta na capacitação de professores o que vem contribuir para o desenvolvimento do ensino público no Município, para o NEAD/UEMS é uma das formas de devolutiva das reflexões e pesquisas desenvolvidas na Universidade. É um momento significativo para os Cursos de Letras da UEMS da Unidade Universitária Campo Grande.


Datas de encontros do NEF (Núcleo de Estudos Foucaultianos )/NEAD para o segundo semestre de 2016.

Local UEMS/Unidade de Campo Grande

 

HORÁRIO: Início  13H 30 MIN

Agosto/16 - 25/08

 

Setembro/2016 - 15/09 e 29/09

 

Outubro/2016 - 19/10

 

Novembro/2016 - 03/11 e 17/11

 

Dezembro/2016 - 08/12 e 15/12

 

Organizadores:

 

 Professor Doutor  Marlon Leal Rodrigues e Professora Doutora Nara Sgarbi 


Por 

Uma educação voltada para a valorização da terra, da natureza, os contares, a oralidade, é o que desejam os professores indígenas das aldeias de Dourados. A informação faz parte do trabalho realizado pela professora doutora Nara Sgarbi, em sua pesquisa de pós-Doutorado em Análise do Discurso, na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS).

Sob a supervisão do professor doutor Marlon Leal Rodrigues, a pesquisa analisou os textos professores indígena que participaram de um processo seletivo para formação de professores, na Unigran, em 2010. Segundo a professora Nara, esses textos foram analisados discursivamente em um processo seletivo, mesmo assim foi possível constatar os desejos dos indígenas enquanto professores dentro de suas comunidades. "Uma coisa é nós adentrarmos a essa comunidade com nossos construtos e imagéticos que nós achamos que seja interessantes para eles, outra coisa é, eu professora indígena, saber como é meu dia a dia, o que eu valoro, o que eu quero", explica Nara.

Ela ainda conta que as análises a proporcionaram um encantamento pelo fato de reconhecer nesses textos, os anseios desses professores. "Eles deixam claro, nos interdiscursos, que eles têm um desejo por outro tipo de educação escolar que não é bem esse que está posto nos documentos governamentais, não é bem esse que está se efetivando nas escolas, dentro das comunidades indígenas", relata Nara, que ainda completa "Eles não querem mais ficar estagnados, eles querem avançar, mas eles querem avançar com propriedade tal, que a sua cultura continue ali, aparecendo, sendo valorizada".

 

A pesquisa completa será entregue no final de julho e ficará disposição dos pesquisadores na UEMS.

 

Publicado originalmente em http://www.noticias.ms.gov.br/pesquisa-revela-desejo-dos-professores-indigenas-de-dourados/, em 02/06/2016


O NEAD (UNEMAT-Alto Araguaia) está com inscrições abertas para o curso de Introdução a Pesquisa em Análise do Discurso (AD) cuja proposta é levar ao aluno as características e especificidades da Pesquisa em Análise do Discurso Francesa, haja vista o aumento do interesse dos alunos de graduação e de ex-alunos pelo desenvolvimento de reflexões ligadas a essa área e muitas vezes com vistas ao prosseguimento dos estudos em nível strictu sensu. Dessa forma serão discutidos aspectos teóricos da Análise do Discurso bem como a constituição do objeto de pesquisa, constituição, seleção e análise do corpus voltados a pesquisa em Análise do Discurso. O curso terá seu início no dia 09/04 e as aulas acontecerão aos sábados a partir das 19 horas e a duração do curso é de 20 horas. Inscrições até o dia 08/04. Para inscrever-se clique AQUI


Valeria Faria Cardoso

Published in Pesquisadores Março 25 2016

Valéria Faria Cardoso

 

Possui Licenciatura Plena e Mestrado em Letras pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (1995/2001) e doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (2008). É professora do Ensino Superior da Universidade do Estado de Mato Grosso. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Línguas Indígenas, atuando principalmente nos seguintes temas: línguas indígenas; sociolinguística e dialetologia; descrição e análise de línguas. Coordenou Projetos de Pesquisa na área de Linguística de Contato, são eles: Contato de Línguas: o português e o guarani no Centro-Oeste brasileiro (Unemat/CNPq) e Contato de línguas: o repertório bilíngue fronteiriço do Centro-Oeste brasileiro (Unemat/FAPEMAT). Atualmente, inicia pesquisa sobre a gramática da língua terena junto a UEMS/Pós-Doutorado.


Página 2 de 7